Drauzio Varella sobre Suzy: Sou médico, não juiz

Em nota divulgada em redes sociais, Drauzio se defende “Sou médico, não juiz”.

A mulher trans Suzy de Oliveira, uma das entrevistadas pelo Dr. Drauzio Varella no programa Fantástico na edição de domingo (01/03/2020), segundo informações divulgadas pelo Antagonista a mesma foi condenada por estuprar e estrangular um menino de 09 anos de idade.

Após a matéria do Antagonista a internet ficou revoltada pelo fato de a reportagem ter causado comoção pelo fato de Suzy estar abandonada entre 07 ou 08 anos pelo fato de ser trans, sem receber uma visita. E com esse fato, Drauzio com sua sensibilidade a abraçou. E o Antagonista já mostrou que o motivo desse abandono teria ligação com os crime cometido pela mesma.

PUBLICIDADE

Em nota divulgada nas redes sociais, Varella afirma que há mais de trinta anos frequenta presídios, tratando com igualdade todos os detentos e detentas. E que independentemente do local em que ele pratica medicina, não questiona o que os pacientes podem ter praticado algum delito.

Ele se remete ao juramento da sua profissão de médico ao afirmar que segue essa conduta de não inquirir as pessoas com que ele atende para que seu julgamento pessoal o impeça de cumprir o seu juramento.

PUBLICIDADE

E que tanto no exercício da medicina quanto nas aparições na televisão ele segue essa mesma linha. Portanto, na reportagem em questão não perguntou a respeito do que levaram suas entrevistadas a estarem presas. Deixando um adendo de que médico e não juiz.

Confira abaixo a íntegra da nota divulgada nas redes sociais do médico:

PUBLICIDADE

O fato de subirem hashtags como #BoicoteAGlobo e #GloboLixo  é porque as pessoas se sentiram enganadas pela reportagem, uma vez que Suzy cometeu um crime envolvendo uma criança e ela mostrou seu lado vulnerável causando comoção nesse mesmo público revoltado. No entanto, na nota o médico deixa claro que não sabia de qual crime a mesma está cumprindo sentença.

Outro detalhe que assusta que traz a reflexão é que na matéria mostra que as trans sentem-se mais livres na prisão do que fora e isso não trouxe nenhuma revolta ou comoção. Fica ai um questionamento.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Luis Henrique

Colunista de notícias focado no universo pop, cinema, literatura e cultura. Amo viajar, gastronomia, cervejas artesanais. Graduado em direito mas queria estar em Marte, caso ele já fosse habitado.