PMs fazem mutirão para construir casa para mulher que cuida de duas filhas e pai doente

Policiais ficaram sensibilizados com a situação vivida por Maristela Rodrigues

Policiais Militares se organizaram e formaram um mutirão durante a folga do trabalho com o objetivo de ajudar a construir uma casa para uma família no bairro de Goianésia, localizado no centro de Goiás.

O comandante responsável pelas campanhas realizadas pelo batalhão da cidade, o capitão Alexandre Fernandes de Castro, revelou que a equipe acabou ficando muito penalizada com a situação da auxiliar de serviços gerais Maristela Rodrigues.

PUBLICIDADE

Maristela trabalha no quartel, e por isso a equipe acabou a conhecendo e ficou sabendo a respeito da situação da mulher, que cuida de suas duas filhas, uma de 12 anos e outra de 15 anos, além do pai doente.

O comandante relatou que eles conhecem muito bem a auxiliadora de serviços gerais, e que sabem que ela foi abandonada pelo marido com as filhas, e que vem lutando para conseguir cuidar das filhas e do pai, e também para poder pagar as prestações do lote, e que por isso resolveram ajudar ela.

PUBLICIDADE

A casa em que Maristela vem morando atualmente possui apenas dois cômodos e é feita com placas de concreto.

O mutirão para construir a casa para a auxiliadora de serviços gerais aconteceu nesta última segunda-feira (16), e contou com a ajuda de 13 policiais. Porém o trabalho ainda não terminou, eles ainda precisam finalizar a casa nova de Maristela.

PUBLICIDADE

O militares agora estão se mobilizando para conseguir doações para a casa da auxiliar, visto que ainda é preciso conseguir vasos, pias, cerâmicas para o piso, argamassa, canos, e também será preciso conseguir alguns móveis para a casa.

Castro relatou que ao verem a ação feita pelos militares outras pessoas se interessaram em ajudar, e chegaram até mesmo a planejar um rifa para poder arrecadar doações para que a construção da casa seja finalizada. O prêmio da rifa é um par de alianças que uma voluntária conseguiu.

Maristela ficou muito emocionada com a atitude tomada pela equipe. Ela contou que ficou muito feliz, pois trabalha para ganhar um salário mínimo, e que paga R$580 de prestação do lote.

Ela conta ainda que havia tentando construir uma casa mas estava muito no começo ainda, até eles ajudarem ela agora com esta atitude de criar o mutirão para que a casa fosse construída o mais depressa possível.

 

PUBLICIDADE

Escrito por Redator News Hero

Sou especialista em notícias da TV, fofocas de famosos e acontecimentos em geral. Também escrevo sobre acontecimentos no meio político.